Número total de visualizações de página

quinta-feira, julho 31, 2008

confirmo.












Sim...é mesmo isso que estão a pensar.

This was never the way I planned
Not my intention
I got so brave, drink in hand
Lost my discretion
It's not what, I'm used to
Just wanna try you on
I'm curious for you
Caught my attention

I kissed a girl and I liked it
The taste of her cherry chap stick
I kissed a girl just to try it
I hope my boyfriend don't mind it
It felt so wrong
It felt so right
Don't mean I'm in love tonight
I kissed a girl and I liked it
I liked it

No, I don't even know your name
It doesn't matter
You're my experimental game
Just human nature
It's not what, good girls do
Not how they should behave
My head gets so confused
Hard to obey

I kissed a girl and I liked it
The taste of her cherry chap stick
I kissed a girl just to try it
I hope my boyfriend don't mind it
It felt so wrong
It felt so right
Don't mean I'm in love tonight
I kissed a girl and I liked it
I liked it

Us girls we are so magical
Soft skin, red lips, so kissable
Hard to resist so touchable
Too good to deny it
Ain't no big deal, it's innocent

I kissed a girl and I liked it
The taste of her cherry chap stick
I kissed a girl just to try it
I hope my boyfriend don't mind it
It felt so wrong
It felt so right
Don't mean I'm in love tonight
I kissed a girl and I liked it
I liked it

obs: morena, olhos claros,alta,nariz bonito como eu gosto,bom gosto,dançar,dançar,dançar...(13.50 e já tou com estas ideias,isto tá bonito tá!)

terça-feira, julho 29, 2008

Randy Pausch. um exemplo Humano.



não sei se viram no site do publico no dia de hoje, ou se ja conheciam o senhor que em seguida irei falar. Trata-se de Randy Pausch, um comum professor universitário do mundo informático , o qual lhe é diagnosticado 10 tumores no figado. As perspectivas de vida são nulas, 3 a 6 meses de vida, mas o que tornou este senhor tão especial, que hoje acabou por falecer foi o fenómeno que ele proprio iniciou durante algum tempo, ao qual chamava de "The Last Lecture",(a ultima lição).
Trata-se que este Senhor, pegou nesta impasse e nesta curva que pode acontecer a qualquer um de nós, e teve uma atitude completamente oposta ao que todos temos. Secalhar é um exemplo de orgulho humano,de inteligência,de amor pelos seus e simplesmente enfrentou o mundo e a sua doença como uma evidencia que nenhum de nós pode fugir.
Sinceramente não sei como reagiria,mas sinto-me bem por este ser humano ter aproveitado os seus dias como têm de ser enfrentados. Quando o mundo lhe iria desabar sobre a cabeça,ele simplesmente abriu os braços e esmagou-o.
Com estima e consideração pelo Prof. Randy Pausch, aqui me despeço com um respeito enorme.
E sabendo que pouco posso fazer por aqui, limito-me a recriar um pouco da historia e transcrevendo a noticia,falando no site, colocando filmes e passar a "mensagem".
Agora..tal como Mcluhan dizia, "o meio é a mensagem" e por isso vamos todos nessa direcção. Vamos todos sentir, abrangêr,mudar,abraçar,humanizar,sentir,amar cada dia. Jogamos com as cartas que "alguém",ou que o acaso nos deu. Nada mais. Estamos aqui, "vamos transpor o limiar da porta,o mundo está aí. Vamos a ele!"





"
Mundo: Morreu Randy Pausch, o professor da «última palestra»
28.07.2008
Fonte: Público
Randy Pausch, o professor de Informática na Universidade de Carnegie Mellon (EUA) que se tornou famoso por causa da palestra em que se despediu da família e da vida, depois de saber que morreria em breve com cancro do pâncreas, morreu na sexta-feira passada, aos 47 anos de idade.
Disponibilizada no YouTube, a sua última palestra correu mundo. Transformou-se em livro (editado em Portugal pela Presença), com a ajuda de uma jornalista do Wall Street Journal. A última palestra de Randy Pausch pode ser vista na íntegra aqui."

segunda-feira, julho 28, 2008

Brinquedo..por Pa Lamber!!

Este texto foi integralmente passado de um dos melhores blogs de musica(digo eu)
"que andam por aí".
Sente-se a boa onda,musica diferente,conhecida e desconhecida por todos,sentido de humor e muita e boa informação.
É imperdível o visionamento do blog dos "senhores".



"De vez em quando aparecem por ai uns brinquedos que dão imensa vontade de ir a correr até à loja mais próxima. O tenori-on é um novo instrumento da Yamaha, destinado a toda a gente - graças ao seu interface que torna a música "visível". A senhora em questão dá-se pelo nome de Little Boots e, para os atentos aos territórios electrónicos, é uma "velha" conhecida. A todos aqueles que ainda não a conhecem, espreitem lá o myspace dela e disfrutem. Quanto à música aqui deixada em vídeo, é a malha "Ready for the Floor", dos Hot Chip."

(melhor que uma só duas,momento estupido do dia).

domingo, julho 27, 2008

Assim como assim. Lobo Antunes Cronica Visão 07


Tanto ruído no interior deste silêncio: são as vozes dos outros a falarem em mim, pessoas de quem gostei, pessoas que perdi, gente que tenho ainda. Não me parece que herdei muito dos meus pais, dos meus avós: algumas coisas mais ou menos superficiais mas lá no fundo nada. Princípios, claro. Regras. O resto, quase tudo, fiz sempre sozinho. E estive sozinho nos momentos mais difíceis da vida, que sofri na carne como um cão: aquilo que, destilado, aparece nos livros, que são o itinerário de uma aprendizagem e de uma dor, a certeza da vida redimir a morte, da necessidade da alegria, de uma paz intransigente conquistada a pulso. A humilde capacidade de admirar as pessoas, respeitá-las, que tanto tempo levei a conseguir. Olhar nos olhos o que um ano destes não serei. Custa-me a ideia de não escrever, um dia. Do mundo continuar sem mim. De perder corpos, calor: o que ganharei em troca? O meu pai foi-se embora há quatro anos: percebo hoje que existia entre eu e a morte, a defender-me sem saber que me defendia e que a partir de então, quando ela tocar à campaínha, é a minha vez de abrir a porta: não quero chegar à maçaneta a tropeçar, quero mostrar-lhe a casa limpa e pronta. Dizer a quem se achar ao meu lado

– Eu já venho

e descer as escadas. Não se incomodem, não se levantem: sou capaz de descer as escadas sem ajuda até vários palmos abaixo da terra. Espero que haja sol nesse dia, um arrepio alegre nas árvores. Não se incomodem que eu já venho. Sentir-me-ão nos objectos, deixarão de sentir-me a pouco e pouco à medida que a saudade se atenua. Continuarei aqui através dos meus livros, na altura em que ninguém meu conhecido sobrar. Ficam retratos, claro, reflexos pálidos do que fui. Depois nem sequer os retratos, um nome apenas. Páginas e páginas que não imaginarão o que me custaram, a luta permanente, a dificuldade em limpá-las. Tem de passar-se as passas do Algarve para dar prazer ao leitor. Espero que Deus me conceda acabar três ou quatro textos, deixá-los prontos para que outros construam por cima, como eu construí por cima dos que me precederam. Se alguma dignidade de homem tenho deu-me a Arte. Hipócrates: a Arte é longa, a Vida breve, a Experiência enganadora e o Juízo difícil. O meu pai tinha isto num rectângulo de papel, no seu gabinete do hospital. A Arte é longa, a Vida breve. Se te sentes desfalecer pega na tua própria mão para ganhares coragem. Talvez dê resultado. Tentaste. É noite agora, corri as cortinas, estou sozinho. Faltam-me os meus amigos, falta-me o mar. Estantes cheias de lombadas, esta mesa. A esferográfica que lá vai andando aos tropeções. Os cigarros são a água com que empurro a comida das frases. Gostava de deixar de fumar, uma escravidão estúpida. Eis-me sozinho rodeado de vozes. Ninguém me pode ajudar a fazer isto. Se cair do trapézio a responsabilidade é minha e o aleijar das costas também. Conseguirei agarrar o próximo, falharei? Não me interessa narrar histórias, contento-me em abrir o coração. A minha mãe fez noventa anos em dezembro: limita-se a esperar numa cadeira. No que me respeita não vou esperar numa cadeira: a mão desenhará letras até ao fim. Esta não é uma crónica melancólica: é a obstinação do ofício que pratico desde que me conheço, afastando sempre o que o estorvava. Pagam-me para fazer o que faria de qualquer maneira e portanto sou uma criatura feliz. Na altura em que a morte, de que falei há bocado, chegar, já a venci. Amanhã na batalha pensa em mim: título do meu amigo Javier Marías. Hoje na batalha penso em vocês, não deixo de pensar em vocês. Somos tantos, cada um de nós é tantos.

Há horas cortei o cabelo: à minha frente, no espelho, um sujeito a quem cortavam o cabelo e me olhava. Parecíamos desconfiar um do outro e tive vontade de pedir-lhe desculpa por o tratar tão mal, comendo não importa o quê, dormindo pouco, não lhe dando atenção. São Francisco de Assis: confesso que tratei muito mal o meu pobre irmão corpo. Haja alguma coisa em que São Francisco e eu sejamos colegas. Lá estava o António com as madeixas a tombarem na toalha, aquela boca, aqueles olhos. Rugas: serão do espelho ou minhas? Que idade tenho? Sei lá: muda constantemente, para trás, para o lado, às vezes foge-me, outras regressa: ao cortar o cabelo estava ali, viva. E é impossível ser aquilo, é impossível ser isto. Nada em comum entre nós e o cabelo a descer para a toalha, sem cessar. Veio-me à ideia o barbeiro do meu avô, o senhor Melo, a rua 1.º de Dezembro, manucuras que eu achava lindas, tão perfumadas, tão gordas, a arrulharem: devo-lhes a minha primeira erecção consciente, pensei em pedir-lhes para casarem comigo, as duas, de uma vez. Não pedi. Quer dizer pedi sem as palavras e não me responderam, ocupadas a fazerem festinhas nos dedos de uns cavalheiros quaisquer, de joelho activamente

(gosto do activamente)

encostado à perna deles. De modo que ao conhecer o desejo conheci o ciúme. E a indiferença já agora, porque não me ligaram nada. Que teria eu de mal para além de oito anos? E oito anos é um defeito assim tão grande? Ninguém sabia, claro, que eu era o escritor mais importante do mundo e maçava-me elas não o reconhecerem com um relance apenas. Um génio ao alcance do braço e as manucuras zuca zuca na fazenda dos cavalheiros. O senhor Melo, esse, entendeu-me o olhar

– O avôzinho nunca deixa que lhe toquem

e eu a achar de imediato que o meu avô era parvo. Mal entrei em casa fui à brilhantina do meu pai

(um boião pegajoso)

e penteei-me para trás. Só me faltava o smoking e uma actriz ao lado para ser Gary Cooper

por uma pena. Gary Cooper, na minha forma de ver, não andava longe de Camões, de maneira que me espantou, ao jantar, mandarem-me comer a sopa mais depressa. Não imaginava

(não imagino)

a mãe de Gary Cooper e Camões
(uma para ambos chega)

a mandá-los comer a sopa mais depressa. Recordo-me de afirmar

– Sou melhor que Camões e Gary Cooper juntos e multiplicados por dez

e ainda hoje estou para compreender o que significava o silêncio que se seguiu.

My Moon My Man video Feist



Andava a ver uns videos..e apeteceu partilhar.

sábado, julho 26, 2008

Old hit, memorias pa!!!





And I feel that time's a wasted go
So where ya goin' till tomorrow?
And I see that these are lies to come
So would you even care?

And I feel it
And I feel it

Where ya going for tomorrow?
Where ya goin' with the mask I found?
And I feel, and I feel
When the dogs begin to smell her
Will she smell alone?

And I feel, so much depends on the weather
So is it raining in your bedroom?
And I see, that these are the eyes of disarray
So would you even care?

And I feel it
And she feels it

Where ya going for tomorrow?
Where ya goin' with the mask I found?
And I feel, and I feel
When the dogs begin to smell her
Will she smell alone?

When the dogs do find her
Got time, time, to wait for tomorrow
To find it, to find it, to find it.



obs: isto sim faz-me regressar ao passado!!

Lobo Antunes,frases.algumas.



"(...) penso no absurdo de escrever. De estar a escrever quando podia estar com os amigos, ir ao cinema, ir dançar que é uma coisa de que gosto... mas não, um tipo está ali e é um bocado esquizofrénico. (...) Há sempre uma parte subterrânea nas obras de arte impossível de explicar. Como no amor. Esse mistério é, talvez seja, a própria essência do acto criador. (...) Quando criamos é como se provocássemos uma espécie de loucura, quando nos fechamos sozinhos para escrever é como se nos tornássemos doentes. A nossa superfície de contacto com a realidade diminui, ali estamos encarcerados numa espécie de ovo... só que tem de haver uma parte racional em nós que ordene a desordem provocada. A escrita é um delírio organizado."

in Jornal de Letras, Artes e Ideias, ano I, nº23, Janeiro de 1982

Isto às vezes é tremendo porque a gente que exprimir sentimentos em relação a pessoas e as palavras são gastas e poucas. E depois aquilo que a gente sente é tão mais forte que as palavras...

fonte: Público, 09.11.2004


Há momentos e situações em que o olhar comunica mais que as palavras, isso também é intimidade. Creio que sou capaz de dizer muitas cosas sem falar, é o outro que também tem de compreender e de saber interpretar. Quando se estabelece essa relação de intimidade e de amizade, não é necessário falar. [...] frequentemente é melhor não o fazer porque as palavras estão muito gastas.

fonte: Conversas com António Lobo Antunes, de María Luisa Blanco, 2002


A amizade é regida pelo mesmo mecanismo que o amor, é instantânea e absoluta.

fonte: Conversas com António Lobo Antunes, de María Luisa Blanco, 2002


Uma coisa é o amor, outra é a relação. Não sei se, quando duas pessoas estão na cama, não estarão, de facto, quatro: as duas que estão mais as duas que um e outro imaginam.

fonte: Diário de Notícias, 09.11.2004


ó ficas adulto depois do teu pai morrer, porque deixou de existir a última coisa que existia entre ti e a morte.

fonte: Jornal de Letras, 25.10.2006


Quando morre um pai, tem-se a sensação de que, na próxima vez que a morte aparecer à porta, seremos nós a abri-la.

fonte: Visão, 23.02.2006


Com o passar do tempo, há dois sentimentos que desaparecem: a vaidade e a inveja. A inveja é um sentimento horrível. Ninguém sofre tanto como um invejoso. E a vaidade faz-me pensar no milionário Howard Hughes. Quando ele morreu, os jornalistas perguntaram ao advogado: «Quanto é que ele deixou?» O advogado respondeu: «Deixou tudo.» Ninguém é mais pobre do que os mortos.

fonte: Diário de Notícias, 09.11.2004


Não fomos feitos para a morte, a não ser para a morte voluntária. A involuntária sempre me pareceu uma tremenda injustiça, para não falar em crueldade.

fonte: Diário de Notícias, 09.11.2004


Sinto uma consideração quase nula pelo que, em Portugal, se publica. Desgosta-me a infinidade de romances desonestos, entendendo por desonestidade não a falta de valor intrínseco óbvio (isso existe em toda a parte) mas a rede de lucro rápido através da banalização da vida. Livros reles de autores reles.

fonte: Visão, 07.08.2003


Durante anos, mesmo em relação a jornalistas, tentaram à força colar-me a imagem que imaginavam que eu fosse, ainda agora. […] Sou arrogante, mal-educado, rebelde, geralmente sou sempre o António Lobo Antunes somado a qualquer coisa desagradável. Não corresponde a nada do que sou, a nada.

fonte: Diário de Notícias, 08.12.2001


Eu gosto desta terra. Nós somos feios, pequenos, estúpidos, mas eu gosto disto.

fonte: Ler, 1997


obs: haviam mais frases,mas pesquisem vocês, fodam-se.
(momento efémero mas sentido).


Tindersticks. mais uma.




My my, it doesnt matter what you say
From the start, I hang off every word you say
Oh, tonight, are you trying to fall in love again?
Does it make it all right?
Are you trying to fall in love again?
Now, Im a hard man gone soft
The lines were so clear then
How did I ever get by?
There was a time I hang off every word you say

Every breath you blew, I was running to inhale
Oh, tonight, are you trying to fall in love again?
Does it make it all right?
Are you trying to fall in love again?

My my, there will be other days

It comes and goes, you know it never stays
Oh, tonight, are you trying to fall in love again?
Oh, tonight, are you trying to fall in love again?
Does it make it all right?
Are you trying to fall in love again?

Does it make it all right?

Youre trying to fall in love again



obs:(o cabrão do youtube só me deu isto.)

ontem.





ontem foi sexta...uma noite "daquelas". Porquê?!..o Lobo andou por aí bem com sua companhia. (agora começou a tocar o Capitao Romance,e isto foi mesmo assim...bizarro.)

Depois das Vindimas,só isto!


Queria aqui apontar que Deus nosso Senhor atendeu ás minhas preces ao fazer a maior festa do mundo,mas infelizmente...descobri uns 20 dias depois. Ainda assim,fica aqui o registo.
Para o ano,eu estou lá, bora?!

sexta-feira, julho 25, 2008

como é sexta.. (a new Dawn)





















Por momentos,creio que o Lobo vai ficar mais voraz de uma só carne.Uma só.
Gostei da carne trémula,do cheiro e do calor emanado por aqueles lados.
Gosto daquelas montanhas,daqueles areais,e da imensidão do mar ali perto.
Sentir os dentes a trespassarem o peito,sentir o toque e o sabor.
Bom Fim de Semana.

quinta-feira, julho 24, 2008

a preto e branco.








como é notório,aqui continuo mais uma série de boas fotos.
num futuro proximo colocarei algumas mais "amadoras"mas igualmente de bom gosto.
até.
Real Time Web Analytics