Número total de visualizações de página

segunda-feira, abril 27, 2009

Um Van Damme que voces nunca viram.


este foi um filme que estreou este ano e podem pesquisar pela net, e agora podem ir ver ao indie Lisboa.
eu passo já a noticia..

Engane-se quem pensava que passaríamos a vida inteira sem defender um filme com Jean-Claude Van Damme. É que esse dia chegou - é hoje - e aquilo de que falamos poderá ser comprovado no final da tarde, no Cinema São Jorge. E lá tira o "Indie" mais um coelho da cartola, para nossa felicidade.

"JCVD" é um filme de culto instantâneo. Fã de longa data do actor belga que fez carreira em Hollywood a dar porrada a torto e a direito, o cineasta francês Mabrouk El Mechri lançou a Van Damme um desafio irrecusável: satirizar o cinema que o tornou famoso. Esse cinema é de acção e explodiu nos anos 80 com o aparecimento dos clubes de vídeo. Toda a gente sabe que ele não ficará para a história. Mas "JCVD", sejamos sinceros, pouco ou nada tem que ver com ele.

O primeiro plano é incrível: há um filme a ser rodado dentro do filme e o nosso herói Jean-Claude, dirigido por um cineasta asiático com manias de Orson Welles, tem que distribuir tabefes num longo plano sequência de 3 ou 4 minutos. Só que Van Damme é agora um has been e nunca fez um plano sequência assim na vida! Está com 47 anos, cansa-se facilmente e não aguenta a duração de uma sequência sem cortes. Pior: Steven Seagal, eterno rival, acabou de roubar-lhe mais um papel noutra produção. Pior ainda: Jean-Claude divorciou-se recentemente e está a disputar com a ex-mulher a custódia da filha, mas a menina não quer ficar com ele. Diz que, na escola, os colegas gozam com ela por causa do pai.

Mas isto é só o princípio. É que, pouco depois, o nosso herói vai ao banco (anda aflito de dinheiro, quem diria?) e entra no sítio errado à hora errada. Lá dentro, há um ganguezeco de assaltantes que não hesita em humilhá-lo e fazer dele um refém. O banco é rapidamente cercado por polícia, media e mirones e, cá fora, toda a gente pensa que o 'Sr. Músculo de Bruxelas" é o autor do crime.

Neste filme sobre o cinema, um cinema de baixa qualidade que toda a gente viu e toda a gente esqueceu, Van Damme aceita ser o bobo da corte. É um homem que já não tem nada a perder e descobre aqui uma dimensão cómica que satiriza a sua própria persona, como um herói de BD que, de repente, desceu à Terra e perdeu todos os poderes. E, surpresa, Jean-Claude é um grande actor, tout court. O problema é que nunca lhe tinham dado uma oportunidade destas. Mas ele agarrou-a com unhas e dentes.



eu ja vi, e digo que vale a pena. mesmo!!!

Sem comentários:

Real Time Web Analytics