Número total de visualizações de página

terça-feira, maio 04, 2010

Força

Subitamente deu-me para reescrever. ja ha algum tempo que não passava por aqui, já ha algum tempo que nao vinha deixar umas tantas metáforas ou fotos.
Novos desafios,novas formas de pensar que me exigem maior adaptação, e uma necessidade óbvia, manter a "energia"..manter uma originalidade, pior que isso é o desconforto, não que seja óbvio mas por encontrar um estado híbrido de "estou/não estou". Complexo quando o que nos rodeia exige uma camisola e uma "operacionalidade"cega mas que nos pode(ou não) limitar a visão e ao mesmo tempo que mantemos a força cá de dentro, fica-se meio sem chão.
A essencia está aqui, estou mesmo, sei disso, apenas estou numa busca de linguagem mais actualizada perante o que me rodeia.
Tenho força para isto tudo.
Está aí o Sol e muita energia Positiva... "estou cá!"

Tás a sentir
Uma página de história
Um pedaço da tua glória
Que vai passar breve memória
Tamos no pico do verão mas chove
Por todo o lado
Levo uma de cada
Já tou bem aviado
Cuspo directo no caderno
Rimas saídas do inferno
Que passei à tua pala
Num tempo que pareceu eterno
Tou de cara lavada
Tenho a casa arrumada
Lembrança apagada
Duma vida quase lixada

Passeio na praia
Atacado pelos clones
São tantos iguais
Sem contar com os silicones
Olho para o céu
Mas toda a gente foi de férias
Apetece-me gritar
Até rebentar as artérias


(respiro fundo)
E lembro-me da força
(guardo dentro do meu corpo)
Espero que ela ouça

Todo o amor deste mundo
Perdido num segundo
Todo o riso transformado
Num olhar apagado
Toda a fúria de viver
Afastada do meu ser
Até que um dia acordei
E vi que estava a perder
Toda a força que cresceu
Na vida que deus me deu
A vontade de gritar bem alto:
O meu amor morreu
Todo o mundo há-de ouvir
Todo o mundo há-de sentir
Tenho a força de mil homens
Para o que há de vir

Flashback instantâneo
Prazer momentâneo
Penso e digo até
Que bate duro
No meu crânio
Toda a dor
Toda a raiva
Todo o ciúme
Toda a luta
Toda a mágoa e pesar
Toda a lágrima enxuga
Odiando como posso
Não posso encher a cabeça
Não há dinheiro
Nem vontade
Ou amor que o mereça
Não vou pensar de novo,
Vou-me pôr novo
Neste dia novo
Estreio um coração novo
Visto-me de branco
Bem alegre no meu luto
Saio para a rua
Mais contente que um puto
Acredita que custou
Mas finalmente passou
No final do dia
Foi só isto que restou


(respiro fundo)
E lembro-me da força
(guardo dentro do meu corpo)
Espero que ela ouça


Todo o amor deste mundo
Perdido num segundo
Todo o riso transformado
Num olhar apagado
Toda a fúria de viver
Afastada do meu ser
Até que um dia acordei
E vi que estava a perder
Toda a força que cresceu
Na vida que deus me deu
A vontade de gritar bem alto:
O meu amor morreu
Todo o mundo há-de ouvir
Todo o mundo há-de sentir
Tenho a força de mil homens
Para o que há de vir
Vai haver um outro alguém
Que me ame e trate bem
Vai haver um outro alguém
Que me ouça também
Vai haver um outro alguém
Que faça valer a pena
Vai haver um outro alguém
Que me cante este poema

Sem comentários:

Real Time Web Analytics