Número total de visualizações de página

domingo, maio 09, 2010

vou viver.

sinto o peito a bater, sinto os minutos a passar, sinto que nada posso fazer, sinto um ardôr de boca por nada poder lutar.

A espera é só mais uma delonga, que mais soa a desculpa, e que podendo nao o ser corrói a cada minuto que passa. Trata-se de um misto de orgulho e de racionalidade. Como se fosse um "vou viver" seguido de um Fistfull of Tears. Não tenho receio de aqui escrever pois sei que nao virás aqui, tal como sei que a chamada nao surgirá, mas sigo este texto meio atabalhoado como sigo o que quero. Não sou de cobardias, de virar a cara á luta, sigo as palavras que me assaltam, nao as dúvidas ou as incertezas que por vezes nao são concordantes com a retórica. é isso que dói.
Não sinto quase, esta aparente calmia deve-se a um inicio de constatações que o tempo traz por si só e que por ela mesma irá decidir. Injusto. Pois nunca vi uma unica face do espelho, as duas como sempre. Mas é mesmo assim, foram decisões, que o tempo se encarregará de medir.

disse.

1 comentário:

T.R. disse...

Eu também sou vossa mãe...
Disse!

Quando quiserem bater em alguém, convidem-me! Eu também gosto de apanhar...
Disse!

(E quantos outros "disse"´s já foram ditos?...)

«Flutuar, não mergulhar.»

Real Time Web Analytics